Notícias

Pesquisadores estudam evolução geológica em trecho da BR-364

publicado: 19/09/2019 17h21, última modificação: 19/09/2019 17h23
Pesquisadores.jpg

Equipe de pesquisadores brasileiros e franceses realizaram estudo de campo sobre evolução geológica e paleontológica na parte oeste do Estado do Acre, ao longo da BR-364, trecho entre Cruzeiro do Sul e Rio Branco, de 14 a 17 de agosto. O professor do campus Floresta da Ufac, Francisco Ricardo Negri, coordenou a atividade.

Os pesquisadores buscam respostas sobre como o soerguimento dos Andes afetou a evolução da paleogeografia e da biodiversidade da Amazônia brasileira. Em artigo recente, publicado em revista internacional, parte da equipe concluiu que, durante o Cretáceo, 65 e 80 milhões de anos atrás, havia na Amazônia um rio que corria de leste para oeste, sentido oposto ao rio Amazonas atual. Eles chamam esse rio ou sistema de drenagem de “Sanosama”.

Participaram do grupo o geólogo Roberto Ventura Santos e seu mestrando André Alvim, do Instituto de Geociências da Universidade de Brasília (UnB); o geólogo Martin Roddaz, do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD, na sigla em francês) e da Universidade Paul Sabatier, Toulouse, França; os paleontólogos Laurent Marivaux e Pierre-Olivier Antoine, da Universidade de Montpellier-Isem; a paleontóloga Ana Maria Ribeiro, do Museu de Ciências Naturais e sua doutoranda Narla Stutz, do programa de pós-graduação em Geociências (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Os avanços dos estudos e análise dos dados obtidos fortalecerão ainda mais o intercâmbio científico e fornecerão novos dados geopaleontológicos para as regiões prospectadas. Parte dos estudos está sendo desenvolvida em dois projetos — “O Paleo Amazonas: Evolução Neogênica da Amazônia Brasileira”, coordenado por Ventura Santos e Roddaz e financiado pelo programa Capes/Cofecub; e “Processos Tectônicos e Ambientais Registrados nos Sedimentos da Bacia Amazônica: O Papel da Evolução Andina”, coordenado por Ventura Santos e fomentado pelo CNPq.

O trabalho de campo contou com o apoio da equipe de policiamento ambiental do 6º Batalhão de Cruzeiro do Sul, do 7º Batalhão da Polícia Militar de Tarauacá e do 8º Batalhão da Polícia Militar de Sena Madureira.

registrado em: