Notícias

Aluno da Ufac aborda estradas do Acre em artigo na revista ‘Land’

publicado: 09/03/2021 15h19, última modificação: 09/03/2021 15h19
090320211.jpg

O estudante do curso de Biologia (bacharelado), do campus Floresta da Ufac, Eric Nascimento, publicou o artigo, em inglês, intitulado “Roads in the Southwestern Amazon, State of Acre, Between 2007 and 2019” na revista internacional “Land”, de acesso aberto. A publicação é consequência de pesquisa de dois anos sobre a dinâmica das estradas no Estado do Acre.

Eric Nascimento é bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica da Ufac no campus Floresta/Laboratório de Geoprocessamento Aplicado ao Meio Ambiente (LabGama). Ele explicou que a pesquisa mostra a expansão da rede viária e sua relação com o desmatamento, sendo que hoje todos os municípios do Acre têm conexões terrestres, mesmo os mais isolados. “A cada ano é como se surgisse uma nova estrada ligando Rio Branco a Cruzeiro do Sul, mostrando a acelerada dinâmica de conexões terrestres no Acre”, disse.

A pesquisa faz parte do processo de formação de profissionais. “A formação de jovens cientistas no Brasil, principalmente na Amazônia, estudando temas locais e relevantes ao desenvolvimento local e regional é um pilar importante da Ufac e das pesquisas do LabGama”, opinou a orientadora do aluno, professora Sonaira Silva.

No Acre, em torno de 92% das estradas mapeadas são ramais não oficiais, ou seja, estradas construídas, inicialmente, sem apoio governamental e não pavimentadas. “Esse é um reflexo em grande parte da Amazônia, pois estradas têm surgido de forma descontrolada e sem monitoramento público, podendo levar a práticas ilegais”, comentou o pesquisador do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), Amintas Brandão Jr.

Apesar das estradas contribuírem para o desenvolvimento econômico e social, existe um alerta para a abertura delas. “Nosso estudo e outros mostram que é necessário que as estradas e ramais sejam construídos com plano de desenvolvimento, caso contrário teremos aumento contínuo do desmatamento e consequentemente da fragmentação florestal e incêndios florestais”, ressaltou o doutorando do curso de Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Celso Silva Junior.

O artigo teve participação dos professores da Ufac do campus Floresta, Sonaira Silva, Leandra Bordignon e Antonio Willian Melo; de profissionais do Imazon, como Amintas Brandão Jr. e Carlos Souza Jr.; e do Inpe e da Universidade Estadual do Maranhão, Celso Silva Junior.

O estudo faz parte do projeto Acre Queimadas, financiado pela parceria do CNPq, Ibama e projeto PrevFogo.

registrado em: